atendimento@eriknery.com.br   +55 85 3215-4686

Faça sua avaliação : Corporal Capilar

Mentoplastia – Cirurgia Plástica do Queixo

A Mentoplastia é indicada em casos de reposição correta do queixo para a estética da face e deve estar em harmonia com a posição do nariz, da fronte e da boca. Consiste na colocação de uma prótese de silicone entre o osso e os músculos do queixo.

Qual momento ideal para realizar a cirurgia plástica do mento ou mentoplastia?

A idade mínima para a correção são os 17 anos. Nos casos em que a deformidade é devido a trauma ou malformações congênitas este prazo normalmente pode ser abreviado.

Quais os resultados possíveis com uma cirurgia plástica do mento?

Não deverão ocorrer grandes alterações fisionômicas. Apenas haverá um melhor equilíbrio de sua fisionomia, mantendo suas características individuais.

Poderá ser feita uma cicatriz interna (dentro da boca) ou uma pequena incisão na parte inferior do queixo. Ficará a critério de cada cirurgião plástico a escolha da técnica cirúrgica. O cirurgião geralmente modela a peça ou utiliza peças pré-moldadas (existem vários tamanhos, que podem ser apresentadas ao paciente durante a entrevista pré-operatória).

A Cirurgia Plástica do Mento

A mentoplastia pode ser para retroposicionar, avançar, encurtar ou alongar o queixo, corrigir desvios ou alterar a forma.

O tratamento cirúrgico, na imensa maioria das vezes, pode ser feito através de cortes internos na boca sem cicatrizes externas. A pele é descolada e um corte é feito no osso para que ele possa ser reposicionado e fixado. No final a pele se acomoda à nova estrutura. Raramente pode ser necessária a utilização de enxertos de osso da própria pessoa. Os pontos são todos internos e normalmente não precisam ser removidos.

Outra opção para a mentoplastia é a utilização de materiais aloplásticos ou próteses. Atualmente dois materiais são os mais utilizados: o politetrafluoroetileno e o silicone rígido. O silicone, na forma sólida, vem sendo empregado há mais de 35 anos em todo o mundo. Trata-se de substância inerte ao organismo e que se mantém em seu lugar de introdução, dentro de uma cápsula fibrosa que o próprio organismo se encarrega de elaborar, logo nos primeiros dias. A vantagem deste método é que a cirurgia é um pouco mais simples. As desvantagens são: a utilização de um material estranho ao organismo e o custo do material.

Os tipos de cirurgia plástica do mento são abaixo explicitadas:

1) Cirurgia ortognática:

Técnica onde é feita a manipulação do osso da mandíbula e da maxila para a obtenção de uma relação de dentes adequada.

• Como a cirurgia é feita? É realizada uma incisão por dentro da boca. Em seguida faz-se um corte sobre o osso da maxila e movimenta esse osso para frente ou para baixo (dependendo da indicação do caso), levando-se em consideração a oclusão dentária (encaixe dos dentes). Depois que a maxila é posicionada e é estabelecida uma oclusão dentária ideal, esse osso que foi fraturado é fixado novamente. Essa fixação pode ser feita através de fio de aço ou de mini-placas (que podem ser de titânio ou vitálium – as mais modernas são reabsorvíveis) e parafusos. A finalidade é fixar o osso que foi fraturado na sua nova posição para que exista a consolidação óssea.

• Indicação: para pacientes que não têm oclusão dentária adequada. Este procedimento muda a feição da pessoa.

• Tempo de cirurgia: cerca de duas horas. Caso seja necessário este período poderá ser prolongado. No entanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico. Esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória.

• Internação: dois dias.

• Anestesia: geral.

• Pós-operatório: se forem utilizadas as mini-placas (maioria dos casos), o paciente terá somente uma alimentação líquida nos primeiros 20 dias, passando depois para alimentos pastosos até 30 dias. Após esse período, poderá comer alimentos sólidos. Se a fixação do osso for feita com fio de aço, existe a necessidade de complementar a imobilização do osso através da amarração dos dentes superiores nos inferiores. Neste caso o paciente ficará com os dentes amarrados entre 45 a 60 dias. Ele poderá abrir os lábios, mas não abrirá os dentes. Sendo assim, a alimentação é à base de líquidos.

2) Cirurgia Plástica de Mento com uso de Porex

É uma técnica indicada para aumentar o queixo. O Porex (polietileno poroso de alta densidade) tem a mesma função do silicone só que com um diferencial: seu material é biocompatível, ou seja, o organismo aceita melhor.

• Como a cirurgia é feita: a via de acesso é através de uma incisão na parte interna da boca. O processo é igual ao do silicone, porém o Porex precisa ser fixado com parafuso.

• Tempo de cirurgia: cerca de uma hora. Caso seja necessário este período poderá ser prolongado. No entanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico. Esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. • Anestesia: local com sedação.

• Internação: média de 12-24horas.

• Pós-operatório: o paciente ficará usando uma bandagem ou uma fita microporosa em volta do queixo por 15 dias. A alimentação é à base de líquidos. É indicado evitar exposição ao sol.

3) Cirurgia Plástica de Mento com uso de prótese de silicone

Indicada para aqueles pacientes que apresentam queixo retraído. Neste caso é utilizada uma prótese de silicone com formato especial para a região.

• Como a cirurgia é feita: é realizada uma incisão interna (dentro da boca) ou na parte inferior do queixo para introdução da peça de silicone.

• Tempo de cirurgia: cerca de uma hora. Caso seja necessário este período poderá ser prolongado. No entanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico. Esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória.

• Internação: o paciente pode ir para casa após passar o efeito da anestesia.

• Anestesia: local com sedação.

• Pós-operatório: evitar friagem, sol e traumatismos locais. Escovar os dentes com escova macia e evitar alimentos sólidos nos primeiros dias.

Riscos cirúrgicos

As complicações são raras, sendo os mais desagradáveis os casos de eliminação da peça. Quando isto acontece (geralmente devido a problemas no pós-operatório imediato por infecção, traumatismo sobre a área operada, hemorragia, etc.), retira-se a peça mediante simples cirurgia sob anestesia local, sem ficar qualquer seqüela. Posteriormente poderá ser reintroduzida nova peça.

Anestesia: A anestesia pode ser local, local com uma anestesista propiciando uma sedação, ou geral. A escolha do método de anestesia, sempre em comum acordo com o anestesista, levará em consideração o tamanho da cirurgia, as condições clínicas e psicológicas do paciente. Porém, se tratar de correção exclusivamente do mento, a anestesia é a local (com ou sem sedação, dependendo do caso). Se associada a outras cirurgias, o cirurgião ponderará quanto à conveniência de se realizar o ato cirúrgico sob anestesia local ou geral.

Pós-operatório da Mentoplastia

Tempo de internação: Segundo orientação do médico. Apesar de poder ser realizada em caráter ambulatorial (alta hospitalar logo após a recuperação da anestesia) pode ser mais cômodo para o paciente permanecer a primeira noite no hospital.

Evolução pós-operatória: Os cuidados pós-operatórios variarão segundo a magnitude do procedimento efetuado. Sempre haverá um inchaço, maior nos primeiros 2 dias, que gradativamente vai diminuindo. Em geral 7-10 dias é o tempo suficiente para o paciente retornar às suas atividades sociais e laborais. É importante ressaltar que as alterações de cicatrização e acomodação dos tecidos em seu novo local seguem por mais algum tempo. Pelo menos três meses são necessários para se observar o resultado final do tratamento.

A Recuperação da Cirurgia Plástica do Mento

A recuperação é rápida e dependendo da atividade, pode-se retornar às atividades normais em apenas um dia. Casos especiais poderão determinar cuidados relativos por uma semana, sem, contudo necessitar-se de repouso absoluto.

Geralmente, não há dor no pós-operatório. Mesmo que ocorra um discreto desconforto, pode-se usar um analgésico comum. Costuma-se fazer um tipo de curativo local de manutenção com a finalidade de ajudar a manter a prótese fixada.

Este curativo também serve de proteção a eventuais traumatismos que possam ocorrer nos primeiros dias. O paciente fica com um curativo, esparadrapo de papel (micropore) por um período de 5-7 dias.